arrow_drop_down
YAH Conference | Sal da Terra | Douglas Gonçalves

YAH Conference | Sal da Terra | Douglas Gonçalves

YAH Conference | Sal da Terra | Douglas Gonçalves


A pregação do Pastor Douglas Gonçalves foi embasada no texto de Mateus 5:13-16

— Vocês são o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.

— Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada no alto de um monte.

Nem se acende uma lamparina para colocá-la debaixo de um cesto, mas num lugar adequado onde ilumina bem todos os que estão na casa. Assim brilhe também a luz de vocês diante dos outros, para que vejam as boas obras que vocês fazem e glorifiquem o Pai de vocês, que está nos céus.

A pregação começou com o pastor falando sobre “influencers”, sobre como o termo está presente na nossa cultura popular, e citou que Jesus era alguém influente, e, por consequência, nós, os filhos de Deus, devemos ser influenciadores também. Não de uma forma a ganhar muitos seguidores em redes sociais, mas sim influenciando pessoas por aquilo que vive dentro de nós, o Espírito Santo.

O pastor utilizou de suas habilidades e graduações em comunicação para explicar sobre como os mercados vendem sal. As embalagens de sal não precisam ser belas e nem estarem em posições de destaque nas prateleiras, mas as pessoas o buscam por sua importância.

O sal é utilizado para realçar o gosto dos alimentos, e assim devemos ser como cristãos. Ninguém sabe qual a diferença do sal de uma marca para o sal de outra. Como cristãos, devemos realçar as qualidades dos outros, de forma humilde, não chamando atenção para nós mesmos.

Ser sal da terra é trazer conservação ao alimento que já está estragando, somos chamados para melhorar lugares. Somos enviados aos lugares onde o pecado impera para trazermos o Reino, fazendo uma extensão da Graça de nosso Senhor Jesus.

Na sequência, o pastor começou a falar sobre identidade, algo que muitos buscam entender nos dias de hoje mas, que acabam ludibriados por filosofias que dizem que devemos buscar as respostas em nós mesmos. No entanto, devemos buscar nossa identidade em Cristo. O pastor disse que fomos feitos para sermos exatamente como Cristo, fomos criados e feitos para ser conforme a imagem e semelhança de Jesus. A pregação até aqui, foi legitimando e mostrando ainda mais algo sobre o preletor e seu ministério, afinal, devemos ser cópias de Jesus!

O pastor ainda trouxe uma definição sobre a nossa identidade: “Cristo é aquele que foi escolhido para perder a vida para que muitos vivam (…) e você foi criado para ser como Cristo, ou seja, você foi criado para perder a vida e entregá-la para que outros vivam, esta é a sua verdadeira identidade”

É entregando a nossa vida, fazendo o que somos feitos para fazer, que encontramos a verdadeira vida. Assim como disse Jesus “quem perder a sua vida, a achará”. É feliz quem abre mão de suas coisas, de sua vida, é feliz e realizado quem encontra sua identidade em perder a sua própria vida.

O resumo final da pregação foi que não fomos criados para olharmos para nós mesmo e sim para o outro, o pastor ainda citou que dentro do grande auditório, o único rosto que ele era incapaz de ver era o seu próprio, e utilizou esta ilustração para citar que não foi criado para servir a si mesmo.

“Você está doente? Para de olhar para si mesmo”.